Braskem e Lummus firmam parceria para estudo de eletrificação dos fornos de craqueamento

In ABCD, Ciência e Tecnologia, Economia, Inovação On
Divulgação

Iniciativa faz parte das ambições da empresa petroquímica no combate às alterações climáticas

A Braskem, maior produtora de polímeros de base biológica do mundo, e a Lummus Technology, fornecedora global de tecnologias de processo e soluções de energia, anunciam o desenvolvimento de um estudo sobre a demonstração industrial do forno elétrico de craqueamento SRT-eTM, da Lummus, para descarbonizar uma das unidades da petroquímica no Brasil.

O estudo fornecerá, em primeiro lugar, as bases para uma eventual negociação entre as duas empresas em um acordo definitivo que estabelecerá as diretrizes para implementar a descarbonização nas plantas da Braskem.

“A escolha do forno elétrico de craqueamento SRT-eTM, da Lummus, como uma proposta para descarbonizar as plantas de eteno da Braskem se baseia no compromisso compartilhado de desenvolver e implementar tecnologias, soluções sustentáveis e lucrativas”, diz, em resumo, Jose de Barros, vice-presidente e diretor geral de Etileno da Lummus Technology.

“Estamos ansiosos para demonstrar a nossa tecnologia inovadora de eletrificação que reduz drasticamente as emissões de gases de efeito estufa”, completa, da mesma forma.

Tecnologia

O forno elétrico SRT-eTM aproveita a comprovada tecnologia Short Residence Time (SRT®) da Lummus, modificada para operar com eletricidade.

Assim, incorpora um design modular de célula unitária que pode ser replicado nas plantas da Braskem para acomodar qualquer capacidade comercial.

A tecnologia utiliza todos os componentes demonstrados comercialmente, além do perfil de fluxo de calor ideal.

O mesmo leva a uma maior vida útil da serpentina de radiação e durabilidade da campanha de operação.

Além disso, o descoqueamento pode ser realizado em células unitárias, portanto, não é necessário um forno sobressalente.

Esta iniciativa faz parte das ambições da Braskem no combate às alterações climáticas.

Isso inclui a redução das emissões de gases com efeito de estufa em 15% até 2030 e o alcance da neutralidade carbônica até 2050.

“A nossa ambição é reduzir consideravelmente as emissões de CO2 e aumentar a sustentabilidade dos nossos produtos por meio da inovação, do desenvolvimento interno e de parcerias importantes. A tecnologia SRT-eTM, da Lummus, poderá ajudar a Braskem a atingir sua meta de neutralidade de carbono até 2050, aumentando a eficiência energética em nossos crackers”, diz Antonio Queiroz, vice-presidente de Inovação, Tecnologia e Desenvolvimento Sustentável da petroquímica.

“A expansão do uso de eletricidade e materiais renováveis permitirá à Braskem reduzir a sua pegada de carbono na produção de eteno, propileno e outros produtos químicos”, afirma, em conclusão.

 

You may also read!

Prefeitura atende cerca de 200 pessoas no mutirão de prótese odontológica em Diadema

Ação mobilizou, em primeiro lugar, equipe de 50 profissionais de três áreas: Centro de Especialidades Odontológicas, Quarteirão da Saúde

Read More...

Mais de 700 trabalhadores encaminhados para processos seletivos no 3º Feirão do Emprego de Mauá

Apenas uma indústria, no Sertãozinho, selecionou, acima de tudo, mais de 10 currículos de candidatos para entrevistas ao longo

Read More...

AME Mauá reduz pela metade taxa de absenteísmo

Ações de matriciamento e aproximação com a Regulação Municipal causaram queda de 25% para 13% no índice de faltas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu