Invisíveis e letais

Em Artigo - No dia
- Updated

Por Leo Cesar Melo

Em diversas cidades do mundo, especialmente nas grandes metrópoles, a qualidade do ar melhorou significativamente com a implantação das medidas de isolamento social para conter o avanço da pandemia causada pela novo coronavírus, que em todo o planeta já infectou quase 9 milhões de pessoas e provocou a morte de mais de 400 mil. Antes mesmo de concentrar toda sua atenção na luta contra o Covid-19, uma das principais preocupações da Organização Mundial da Saúde era com a questão da poluição do meio ambiente. Em 2019, a OMS fez um alerta de que a poluição do ar era o maior risco ambiental para a saúde da humanidade. 

De acordo com a organização, por ano, 7 milhões de pessoas morrem prematuramente por doenças provocadas pela poluição atmosférica, causada principalmente pelos altos volumes de emissões da indústria, dos transportes e da agricultura. Além disso, 90% dessas mortes ocorrem em países de baixa e média renda. 

Se nada for feito para reverter esse quadro, a tendência é que a situação se agrave. Portanto, para frear o avanço do problema, os principais agentes poluidores precisam urgentemente focar na eliminação, diminuição ou compensação de suas ações. Isso serve especialmente para as indústrias e para alguns segmentos de infraestrutura. 

No Brasil, um dos setores que vem apresentando bons resultados nesse sentido é o de energia limpa. Por conta dos avanços nas políticas que favorecem o biogás, proveniente de materiais orgânicos e que por ser renovável pode substituir o uso de combustíveis fósseis. Iniciamos 2020 com mais de 400 plantas de biogás em operação, um crescimento de 40% na comparação com 2019. As indústrias podem auxiliar no crescimento desse mercado e ao mesmo tempo se favorecer dele, já que hoje existem diversas soluções viáveis de reaproveitamento de resíduos para geração de energia. Com isso cai a necessidade de compra de energia, algo bastante custoso para a produção e ao mesmo tempo reduzem os gastos com a destinação de resíduos. 

Mas precisamos avançar muito mais, e por outros setores. O mundo deve encarar o problema da poluição ambiental com a mesma firmeza que está enfrentando o novo coronavírus. As atitudes tomadas em relação à pandemia para a superação dessa crise estão mostrando como a inovação e a ciência são capazes de solucionar os problemas. Que usemos esse exemplo para gerar outras grandes mudanças a favor do desenvolvimento sustentável.

Leo Cesar Melo, CEO da Allonda Ambiental, empresa de engenharia com foco em soluções sustentáveis

Sobre a Allonda Ambiental

A Allonda é uma empresa de engenharia com foco em soluções sustentáveis. Possui um time próprio de especialistas e mais de 500 projetos já executados, dentre eles remediação ambiental nos dois maiores acidentes ambientais brasileiros, causados pelo rompimento de barragens de mineração em Mariana (2015) e Brumadinho (2019), ambos em Minas Gerais.

Você também pode ler!

Lula afirma que ele e São Bernardo precisam de Marinho

“Querido companheiro Luiz Marinho, é um prazer, e eu diria quase que uma obrigação, uma contribuição minha naquilo que

Read More...

São Caetano investe R$ 4 milhões na aquisição de novos equipamentos para Saúde

O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior, e a Secretária de Saúde, Regina Maura Zetone, realizaram quarta-feira (1/7)

Read More...

Pedroso recebe melhorias durante a quarentena

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento de Santo André) continua trabalhando na manutenção e revitalização do Parque Natural do

Read More...

Deixe uma resposta:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu