Pandemia não desanima maioria a cursar faculdade em 2020

In Educação On
- Updated

O estudo mais completo sobre os impactos da pandemia para o Ensino Superior no Brasil, realizado em três ondas durante a pandemia no mês de maio de 2020, pesquisou cinco mil candidatos inscritos, de 34 Instituições de Ensino (IES) do país, entre 17 e 50 anos, e confirmou que 65% deles pretendem se matricular para o Ensino Superior a partir dos vestibulares de julho.

A pesquisa realizada pela MKT4EDU, com a coordenação técnica dos professores Fernando Serra e Leonardo Vils da Uninove, aponta que, embora 89% dos candidatos declarem ter sofrido restrições financeiras devido ao coronavírus, o relaxamento do efeito covid-19 ao longo das diferentes semanas em que foram entrevistados durante o isolamento, mostrou o crescente interesse em se matricular numa faculdade. Mais da metade dos entrevistados, 65%, afirma que irá seguir com a educação universitária mesmo que isso envolva a troca do instituto de ensino superior escolhido.

“A maioria das pessoas quer estudar, independente dos desafios que a pandemia esteja impondo a elas. A maioria ainda privilegia o ensino presencial, mas está disposta a ter as aulas remotamente até que possam voltar a ser nas instituições, quando tudo isso passar. O importante agora é que as instituições façam com que suas comunicações cheguem aos candidatos e que as mesmas viabilizem alternativas dentro deste novo normal para que os candidatos se matriculem”, afirma Gustavo Gonçalves, CEO do mkt4edu.

O estudo dividido em etapas diferentes da pandemia conclui que há um comportamento comum em situações, como a que o mundo vive atualmente, conhecido como desconto hiperbólico. “O desconto hiperbólico tem relação com a preferência pelas recompensas imediatas. Tendemos a preferir a antecipação de recompensas do presente, mas podemos postergá-las no futuro. Um mesmo período de tempo é visto de maneira diferente no presente e no futuro. Educação tem um custo presente, com recompensa futura, assim há um conflito entre evitar o custo (recompensa imediata) ou incorrer no custo (com benefício futuro). Medo, apreensão e incertezas relacionadas à pandemia podem influenciar a escolha pelo benefício imediato de evitar o custo. Com o passar do tempo, passamos a conviver com o problema e nos acostumar. Em Psicologia Social sabemos que um estímulo é tão importante quando a surpresa que causa, assim, ao desenvolvermos familiaridade com um estímulo, deixamos de notá-lo. Nossa análise engloba esses dois conceitos, a familiaridade com o estímulo e o desconto hiperbólico. A familiaridade com o estímulo diminui a antecipação dos benefícios (evitar o custo)”, comenta o professor Leonardo Vils.

“Outros estudos, com menor abrangência e foco no perfil de entrevistados feitos no início da pandemia, indicavam que um a cada três ou quatro jovens em idade universitária não pretendia cursar a faculdade em 2020. No entanto, com efeito do desconto hiperbólico, nosso estudo revela que este número passa a ser dois em cada três jovens que revelam sua restrição financeira, pretendem se matricular em uma faculdade”, comenta o professor Fernando Serra.

A pesquisa revelou também que 89% dos respondentes tiveram a renda familiar afetada de alguma forma durante este período de quarentena e mais de 45% foram muito afetados. Isso influencia na decisão de não cursar a faculdade, neste ano, para um em cada três entrevistados. Do total de pesquisados, 52% declararam ganhar menos de dois salários mínimos, e 81% têm até 4,5 salários mínimos de renda familiar.

No Brasil, o acesso a cursos de graduação continua muito restrito. Segundo os dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgados no passado, apenas 32,7% dos jovens, entre 18 e 24 anos, estavam matriculados em alguma instituição de ensino superior.

“O cenário da educação superior no Brasil hoje é o pior da América Latina. E o novo mercado de trabalho que se forma rapidamente como reflexo da pandemia precisará ainda mais de jovens com alto grau de conhecimento técnico e capacidade de adaptação para garantir suas carreiras e sucesso. A determinação da maioria dos potenciais universitários brasileiros, apontada no estudo, é mais do que uma boa notícia, é a comprovação do fortalecimento dessa geração diante da experiência que os desafia”, conclui Gonçalves.

Presencial X EAD

A pesquisa ainda mostra que, apesar das condições para aulas presenciais não estarem favorecidas, a modalidade presencial segue como preferência dos candidatos. Para 37% a maneira híbrida, que une EAD e presencial, é a melhor possibilidade. A minoria de 35% prefere o ensino à distância.

Sobre os autores da Pesquisa Nacional MKT4EDU

Mkt4edu – Gustavo Gonçalves – CEO da MKT4EDU

Tório Barbosa – Co-Founder MKT4EDU

Thiago De Lucka – Analista de Dados MKT4EDU

Fernando Serra

Professor e Pesquisador do PPGA e PPGP da UNINOVE. Conselheiro

Leonardo Vils

Professor e Pesquisador do PPGP e PPGCIS da UNINOVE

You may also read!

Marina defende programa Cidades Verdes Resilientes para São Bernardo em ato com Luiz Fernando

Joaquim Alessi Objetiva e prática, a ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva (Rede Sustentabilidade), destacou na

Read More...

Há mais de 500 pessoas que podem receber Vale Gás e Vale Supermercado e precisam entregar documentos em São Caetano

Joaquim Alessi O prefeito José Auricchio Júnior lançou um alerta importante na manhã deste sábado (22.6), durante o Inverno Solidário. "Tem

Read More...

Golaço: Auricchio entrega novo campo do Gisela em São Caetano

O prefeito José Auricchio Júnior entregou no início da noite desta sexta-feira (21.6) mais um campo de futebol com

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu