A modernização do Brasil

In Artigo, Economia On
- Updated
Milton Bigucci, em foto de Celso Lima, da Unick

*Milton Bigucci

É normal as pessoas perguntarem por que fora do nosso país, nas cidades mais desenvolvidas, se constroem prédios gigantes e maravilhosos com 70, 80 andares ou mais, e aqui no Brasil as leis são restritivas, não permitindo, às vezes, prédios com mais de 8 ou 12 andares?

Claro, há alguns municípios que permitem construir um pouco mais em cada terreno, porém, cobram e cobram muito. É a chamada outorga onerosa. E quem paga a conta é o comprador da casa própria, a população que precisa da moradia.

Mas, vamos lá:

Quanto mais apartamentos se colocar em um prédio, mais barato sai para o comprador, pois ele estará dividindo o custo do terreno por mais proprietários.

Leis de zoneamento absurdas e restritivas fazem o imóvel encarecer para a população em geral.

A moradia tem um déficit habitacional muito grande no país, mais de 7,78 milhões de habitação, segundo a ABRAINC e FGV. Por ser uma necessidade básica, deveria ter mais construção a custo menor, permitindo que todos pudessem ter sua casa própria.

Dizem os prefeitos e legisladores que mais apartamentos prejudicariam o trânsito das cidades. Ora, a responsabilidade pelo planejamento das vias públicas é deles e não da população. Dentro disso há um contrassenso.

Incentiva-se a produção de carros, mas a habitação que é mais importante que o carro fica cerceada, e as administrações públicas se acomodam com as vias existentes e sistemas de transportes coletivos. Não constroem metrôs ou não melhoram os transportes coletivos, não constroem novas ruas ou avenidas. A mobilidade é um problema público e não privado. No mundo moderno há milhares de quilômetros de metrô pelas cidades. Aqui no Brasil, paramos de investir no metrô. Lamentável. A população aumenta e nada de metrô.

Construir mais na periferia pode, porém não há volume de recursos suficientes para bancar. Bancos privados não financiam o necessário. Bancos públicos não têm recursos suficientes para tanto.

O ideal seria construir milhares de moradias perto do trabalho. Por vezes o trabalhador gasta mais de 2 horas diariamente para se locomover de casa ao trabalho e mais duas na volta. Em locais onde já há infraestrutura, as leis deveriam ser bem mais brandas e benéficas. A construção civil é a que mais dá emprego para a população carente.

As leis em geral, e não apenas algumas, deveriam permitir a construção de prédios residenciais com comércio e serviços em um mesmo terreno. Mas as leis são muito restritivas. Deveria ser ao contrário.

Conheço quase o mundo todo e vejo prédios altos e fantásticos. Não aceito essa mediocridade na elaboração das leis de zoneamento. Quanto mais se puder construir, mais barato será a moradia para a população. Tem que ter bom senso. Equilíbrio. O que se vê é o inverso.

Essa conversa fiada de especulação imobiliária é para tapar a acomodação ou incompetência pública de administrar. As construtoras são como qualquer outra indústria do país. Dão empregos, produzem e devem ter lucro para poder construir. Quanto mais produzirem, derem empregos e mais venderem, melhor para todos!

A qualidade de vida sempre deve ser preservada. Um apartamento de 20m² é diferente de um de 200m². Cada um tem sua qualidade para viver.

Parem com essa bobagem de especulação imobiliária. Temos de construir, dar emprego e moradia. Quando se aumenta a produção de carros, então é especulação automotiva? Cuidem das vias e praças públicas, aumentem a qualidade do transporte coletivo, criem metrôs, façam a sua parte. É preciso incentivar cada vez mais o uso da bicicleta, que faz bem à saúde e ao trânsito. Incentivar a produção de carros elétricos, que diminuem a poluição.

É possível melhorar a qualidade de vida das pessoas e minimizar os impactos ambientais, com sistemas de reuso de água, com cisternas no subsolo, com iluminação e aquecimento fotovoltaico, fruto de usinas de geração solar nos telhados, reduzindo o custo da energia elétrica em até 40%.

E a rede ferroviária do país? Ridícula. Com a extensão territorial que temos, o Brasil deveria estar cortado por uma imensa malha ferroviária para escoar a produção e incentivar o desenvolvimento.

Os legisladores públicos precisam se atualizar e deixar de pensar pequeno, apenas tapando buracos. O mundo já se modernizou sem perder a qualidade.

Todo cidadão brasileiro tem direito ao acesso à moradia própria. É um sonho possível. Ele não deve ser penalizado porque as leis retrógradas encarecem o custo da moradia.

Vamos modernizar!

*MILTON BIGUCCI – é presidente da construtora MBigucci, membro do Conselho Fiscal da Associação dos Construtores do Grande ABC, membro do Conselho Consultivo Nato do Secovi-SP e do Conselho Industrial do CIESP, conselheiro vitalício da Associação Comercial de São Paulo e conselheiro nato do Clube Atlético Ypiranga (CAY). Autor dos livros “Caminhos para o Desenvolvimento”, “Somos Todos Responsáveis – Crônicas de um Brasil Carente”, “Construindo uma Sociedade mais Justa”, “Em Busca da Justiça Social”, “50 anos na Construção” e “7 Décadas de Futebol”, e membro da Academia de Letras da Grande São Paulo, cadeira nº 5, cujo patrono é Lima Barreto.

You may also read!

Nove ônibus zero, acessíveis, com ar-condicionado e wi-fi renovam frota do transporte público de São Caetano

São Caetano tem, em primeiro lugar, Tarifa Zero, transporte público gratuito, desde novembro de 2023. E agora, além disso, os

Read More...

Mais de 400 entidades de todo o Estado participam da Audiência Pública promovida pela Deputada Carla Morando e MACF

Mais de 400 entidades participaram da Audiência Pública para discutir o Programa Nota Fiscal Paulista, promovida pela deputada estadual

Read More...

Morando sanciona lei que torna obrigatória presença da GCM nas escolas municipais

Medida pioneira, criada pela Prefeitura de São Bernardo em abril de 2023, visa garantir a segurança na comunidade escolar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu