Tel: 11 4425-5062 | E-mail: contato@abcdreal.com.br




Geral

17/06/2015 | Joaquim Alessi

Sem crise


“Não devemos mais falar em crise de água, pois a crise passa, e o que nós precisamos é de uma mudança de comportamento para o todo e sempre, a fim de nos conscientizarmos das nossas responsabilidades para com o meio ambiente, e para com as futuras gerações”, disse ontem o superintendente do Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André, o Semasa, engenheiro sanitarista Sebastião Ney Vaz Júnior, logo após a abertura do seminário Desafios Ambientais Contemporâneos, no anfiteatro Heleni Guariba, ao lado do saguão do Teatro Municipal.

Aterro nota 9,2
Ney Vaz comemorou em sua fala o fato de o Aterro Sanitário de Santo André, fechado até 2013, e que estava condenado, hoje ter nota 9,2 da Cetesb, a melhor nota do Estado.

Redobrando
Ney voltou a destacar que toda a população deve ter o máximo de cuidado com a água. Lembrou que pela Organização Mundial de Saúde (OMS) cada cidadão deve usar, no máximo, 140 litros por dia. Mas em Santo André estamos gastando 280, ou seja, o dobro. Por isso devemos redobrar os cuidados.

Redução
Muito já se avançou em terras andreenses. O consumo geral na cidade caiu de 2.370 litros por segundo para 1.750. Mas ainda é preciso apertar mais as torneiras, pois a Sabesp já repassa muito menos água ao município.

Baldinho
Ney Vaz elogiou a nova moda, que consiste em colocar um baldinho embaixo do chuveiro. “Além de tomar banhos cada vez mais rápidos, ainda aproveitamos a água para outras utilidades”. E são tantas...

Mimos
Na solenidade, Ney Vaz, o prefeito Carlos Grana (PT) e representantes da Caixa Econômica Federal receberam mimos que mostram o compromisso do Semasa com a reciclagem. Em uma pequena caixa de madeira recuperada, um peso de papel confeccionado a partir de tampas de vidro de hidrômetros trocados pela autarquia.










Leia a Edição Virtual da Revista ABCD Real